pirata-1Para e pense; a proposta de cooperativas ou associações  que oferecem a “proteção veicular” é basicamente a divisão do custo do“seguro”do carro com pessoas desconhecidas, ou entre amigos…

É  mais ou menos assim; o cooperado paga uma taxa de adesão e a mensalidade para custear a operação e, quando houver acidente ou roubo, no mês que ocorreu o acidente, o valor desse sinistro será dividido entre os associados. Daí a parcela mensal varia de preço.

Estima-se que há no Brasil mais de 3 milhões de coope­rados divididos em cerca de centenas de associações espalhadas pelo país. Tudo começou com uma cooperativa mineira de proteção veicular, que reunia caminhoneiros que não podiam pagar o seguro”.

Especialistas apontam que essas  associações não têm fins lucrativos e existem especialmente para atender os supostos“rejeitados pelas seguradoras”… os associados seriam, em sua maioria de excluídos, jovens, com até 25 anos, os que têm automóveis com mais de dez anos de uso,aqueles que estão com o nome negativado, dentre outros que possuem fatores de risco relevante para as seguradoras. Cabe lembrar que para estas situações as seguradoras disponibilizam seguros específicos!.

Além do suposto baixo preço, outro fator que atrai consumidores para as cooperativas é o fato de elas não exigirem nenhuma análise de perfil. Ora, o sistema de  perfil é um gerenciador de risco e você pode pagar muito menos!.

Embora afirmem afirmam que a intenção não é concorrer com as seguradoras, pois dizem ser alternativa para os cidadãos que têm perfis não aceitos por elas,” é comum a pratica da“cassa pelo consumidor através de  mídias  vastamente divulgadas no mercado, pelas associações e cooperativas deproteção veicular.

Não raro identificamos reclamações em relação a algumas associações. Os mais comuns são consertos malfeitos, demora no reparo, pagamento de roubo sem respeitar o valor da tabela Fipe e até a falta de pagamento”, segundo  levantamento do Procon, as principais reclamações feitas são os serviços não entregues ou feitos pela metade, mesmo quando o associado paga em dia as mensalidades.

Não há um órgão que fiscaliza e regulamenta as associações e cooperativas de proteção veicular, elas não possuem reservas de recursos, como é exigida por parte das seguradoras, assim,  num acidente de grandes proporções, que afete vários carros cooperados, há um grande risco de prejuízo generalizado.”

Segundo a Superintendência de Seguros Privados (Susep), as associações ou cooperativas que atuam nesse ramo estão agindo à margem da lei, já que não há nenhum agente fiscalizador para esse setor.

A forma legal dessas associações e cooperativas atuarem é como estipulantes de contratos de seguros, ou seja, contratando apólices coletivas de seguros junto a sociedades seguradoras devidamente autorizadas pela SUSEP, passando a representar seus associados e cooperados como legítimos segurados.

Sendo assim, o mais confiável é fazer o seguro numa seguradora, através de um corretor de sua confiança, que deverá defender e zelar polos seus interesses na ocasião do sinistro. Caso contrario é o mesmo que “reinventar a roda” e pior, correr riscos e transtornos desnecessários.  Afinal amigo é amigo, negócios a parte!.

              Corretor de Seguros, não tem comparação!!!

*Atuam regulamentados por leis federais, como o Código de Defesa do Consumidor;

* Tanto o corretor de seguros quanto a seguradora tem registro e autorização da SUSEP para a comercialização de soluções;

* As seguradoras têm todas as estatísticas e experiência em cálculos atuariais para determinar os custos corretos dos seguros;

* A venda do seguro é realizada pelo corretor de seguros pessoa física ou jurídica e seus prepostos legais, que são formados em curso que dá habilitação técnica para orientação aos clientes;

* Firma-se contrato em que a seguradora assume o risco;

* As seguradoras têm reservas financeiras para garantir pagamentos de indenizações e são auditadas;

* Sem limite na quantidade de sinistros por vigência, sem multas por uso excessivo e possibilidade de cancelamento a qualquer momento;

* Indenização em até 30 dias;

* Diversas modalidades de assistência 24 hs, para o carro, residência, pet etc…

* Precificação de acordo com o perfil e bônus de desconto dado ano a ano quando não há sinistro.

Afinal a gente só sabe se fez um bom seguro quando precisa dele!.