Arquivo do Autor

Pergunte ao corretor

Antes de fechar a compra do seguro, é fundamental esclarecer ao máximo sobre o seguro que está contratando. A seguir, nós separamos uma das perguntas que você deve fazer ao corretor e antecipamos os primeiros esclarecimentos.

Como escolho a melhor seguradora para mim?

Existem seguradoras especializadas em determinados riscos que, portanto, oferecem um serviço especializado que pode custar mais caro. Além disso, as empresas variam quanto à qualidade do atendimento e administração do contrato de seguro, bem como em termos de situação financeira.

Seguradoras em dificuldades podem ser tentadas a baixar seus preços na urgência de ganhar mercado e sobreviver. O atendimento, no entanto, sofre. Do mesmo modo, empresas em expansão desordenada podem ter piorado as condições de atendimento aos segurados.

Um mínimo de conhecimento do mercado é necessário. O corretor deve demonstrar esse conhecimento a você.

Você pode até se informar a respeito da saúde financeira e do nível de atendimento da seguradora, como no site da Superintendência de Seguros Privados (www.susep.gov.br) e junto a órgãos de defesa do consumidor. Mas não deixe de perguntar ao seu corretor a respeito.

Fonte: tudosobreseguros

Sem Comentários mais...

As variáveis do seguro de automóvel

Você certamente já se perguntou qual a razão de as seguradoras precisarem de tantas informações para calcular o valor do seguro de carros. Isso acontece porque todo segurado está exposto a determinados riscos e quanto maiores forem esses riscos, maior será o valor na cotação do seguro do carro.

O cálculo é feito a partir de informações sobre o motorista, o veículo e a modalidade do seguro pretendido.

Fatores que influenciam no valor do seguro de automóvel

Motorista: O valor do seguro de carro varia de acordo o perfil dos motoristas, nos seguintes tópicos;

  • Histórico de sinistros: caso o cliente já tenha se envolvido em outras ocorrências anteriormente (acidentes, roubos de carros sem seguro etc);
  • Tempo de habilitação: motoristas mais experientes são mais habilidosos e cuidadosos, com menos chances de danificarem o carro se comparados às pessoas recentemente habilitadas;
  • Região: a seguradora também leva em consideração as condições de segurança por região.

Veículo

As questões referentes ao carro também influenciam no valor do seguro auto. Entre elas estão:

  • Marcas: há marcas de veículos que são mais visadas pelos bandidos e, por isso, o preço do seguro é mais alto;
  • Ano de fabricação: carros mais novos têm reposição mais cara, logo, o valor do seguro também será maior;
  • Alarmes, bloqueadores e rastreadores: esses equipamentos ajudam a evitar roubos e furtos. Por conta disso, quem faz uso desses aparelhos pode ter descontos no seguro;
  • Garagem: veículos que são guardados em garagens (em casa ou no trabalho) têm uma cotação mais baixa no seguro.

Planos de seguro

  • Coberturas: o valor do seguro auto também varia dependendo das coberturas e assistências que são contratadas;
  • Franquia: quanto menor a franquia, maior o preço do seguro auto.

Cuidado com as diferenças entre seguro de carro e proteção veicular

Você sabia que em média, um carro é roubado no Brasil a cada minuto? Em São Paulo, são 6 mil carros roubados por mês! Por isso, proteger o seu carro é cada vez mais importante.

Mas, cuidado para não confundir seguro de carro com proteção veicular. Converse com um bom corretor de seguros.

 

Fonte. Portal Porto Seguro

 

Sem Comentários mais...

Por que eu preciso de um corretor de seguros?

O corretor de seguros é seu representante junto às seguradoras. Ele existe para garantir que você entenda todos os detalhes do contrato e para que seus interesses e direitos sejam cumpridos pelas seguradoras.

Por exemplo, caso você precise alterar o seu seguro ou tenha que acioná-lo, será a sua corretora quem irá ajudá-lo da melhor maneira.

Como são empresas voltadas exclusivamente vender o seguro e atender no pós venda aos segurados, conseguem ser mais ágeis, uma vez que acompanham e cobram das seguradoras, velocidade nos procedimentos.

Por que eu devo preencher um formulário?

Muita gente pensa que o é o modelo do carro é o que mais influência no preço do seguro automóvel, mas isso não é verdade. Na realidade, o principal fator é o perfil do motorista. Assim, as seguradoras precisam entender o seu perfil para precificar e decidir assumir ou não o risco. Para isso usam o Questionário de Avaliação de Risco.

Geralmente, esse questionário contém questões sobre:

  • Idade do condutor principal
  • Tempo de habilitação desse mesmo condutor
  • Sexo do condutor principal
  • Região de Circulação do Veículo
  • Se o veículo segurado ficará em estacionamento ou garagem fechada
  • Qual a utilização do carro (se é para locomoção diária, lazer ou para uso profissional)
  • Se possui dispositivos de segurança (bloqueadores, rastreadores, etc.)

Por que é importante comparar diferentes seguradoras?

Nem todas as coberturas de seguro automotivo são iguais. Diferentes seguradoras se especializam em cidades, perfis e coberturas. Por exemplo, algumas seguradoras indenizam seu carro pelo preço de 0 km nos primeiros 6 meses, outras oferecem carro reserva com ar-condicionado por até 15 dias e até mesmo serviços residenciais.

Por isso, tenha sempre em mente suas necessidades na hora de escolher o seguro. Para uma pessoa que viaja muito, uma quilometragem de guinchos mais alta é importante, enquanto para quem não tem alternativas de transporte ou que usa o carro para trabalhar, um carro reserva oferece uma excelente vantagem, por exemplo.

Além disso, cada seguradora tem a sua estratégia de preços para diferentes segmentos:

O seguro protege somente contra batidas e roubos ou furtos?

Não, ele tem muito mais coberturas! Uma apólice de seguro compreensivo oferece coberturas para roubo e furto, colisões, quedas de objetos, incêndios, enchentes e alagamentos,  despencamento de ribanceiras ou pontes. Em caso de um sinistro, você recebe a indenização de acordo com a Tabela FIPE.

Mas mesmo que você não sofra um sinistro durante a vigência do seu seguro, você ainda pode aproveitar as assistências 24 horas da sua seguradora. Uma pane seca no meio da avenida não é considerada um sinistro, mas você pode contar com a assistência de um técnico indicado pela sua seguradora sem pagar a mais por isso.

Fonte: BIDU CORRETORA DE SEGUROS

Sem Comentários mais...

Seguro popular para automóveis

Em tempos “bicudos”, uma boa alternativa, bem mais barato para quem tem pouco recurso e não quer correr o rico de ficar sem o seguro do carro…

Esse seguro, também chamado de “Seguro Auto Popular”, regulamentado pela Resolução CNSP n° 336, de 2016, se diferencia do seguro auto tradicional por permitir a utilização de peças usadas oriundas de empresas de desmontagem para a recuperação de veículos sinistrados. A apólice deve informar claramente ao segurado as condições de utilização de peças usadas, quando houver.

A remoção da peça usada para posterior reutilização deve ser executada por empresa especializada estando tal atividade regulamentada pela Lei 12.977, de 2014.

O seguro auto popular tem como coberturas principais:

  • Colisão, Incêndio e Roubo/Furto ou
  • Colisão e Incêndio

E como coberturas adicionais (que podem ou não ser contratadas):

  • Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos,
  • Acidentes Pessoais de Passageiros e
  • Assistência aos segurados

O normativo veda a oferta de cobertura que preveja apenas indenização integral por colisão, mas valem para o Seguro Auto Popular as mesmas regras do seguro auto:

  • A indenização integral é devida quando os prejuízos resultantes de um mesmo sinistro atingirem ou ultrapassarem 75% do valor contratado
  • O segurado deve ter a possibilidade de escolher entre as modalidades de indenização integral a “valor de mercado referenciado” ou a “valor determinado” e
  • A seguradora não pode aplicar franquia no caso de indenização integral.

Em carros muito antigos, pode ser difícil estabelecer seu valor de mercado para efeito de indenização integral. Nesses casos, a apólice, bilhete ou certificado (este no caso de plano coletivo) deve deixar claro a regra de ajuste que permite chegar-se ao valor de mercado.

A norma legal permite que as seguradoras ofertem esse seguro apenas com a opção de reparo do veiculo sinistrado em rede referenciada (e não em oficina de sua livre escolha), exigindo-se que a seguradora cientifique o segurado dessa cláusula.

Além disso, a norma permite que a seguradora possa fixar uma idade mínima do veículo para obtenção do seguro.  Converse com o seu corretor.

 

Fonte. tudosobreseguros

Sem Comentários mais...

Como são fixados os prêmios( preço) de seguros?

As seguradoras usam dados de risco para calcular a probabilidade de ocorrência do evento contra o qual se está fazendo o seguro. Essa informação é utilizada para calcular o prêmio. Quanto mais provável ocorrer tal evento, maior será o risco para a seguradora e, como resultado, maior o valor do prêmio de seguro.

O prêmio de seguro é, portanto, baseado na quantidade de risco. Riscos baixos pagam prêmios baixos e riscos altos pagam prêmios altos, quando aceitos pela seguradora.

As seguradoras coletam informações sobre os interessados em contratar o seguro e sobre suas propriedades para determinar, o mais precisamente possível, o montante de risco de perda que está em jogo em cada caso e, daí, calcular o prêmio respectivo. Geralmente, a seguradora agrega em uma carteira grande número de apólices de um mesmo ramo.

A seguradora tem de considerar dois fatores importantes ao elaborar o prêmio que cobrará num determinado seguro:

  1. a) Quão provável é, em termos gerais, que um segurado faça um aviso de sinistro? Ou seja, qual é o risco “médio” nesse seguro?
  2. b) Uma dada pessoa interessada em adquirir esse seguro tem risco maior ou menor do que a “média” dos segurados? Se for maior, o prêmio terá de ser ajustado para cima e vice-versa.

Cálculo de probabilidade

A prática do seguro é complicada, mas o mecanismo básico é simples.

Uma seguradora ao assumir o risco de ter de pagar uma indenização de R$ 30.000,00 contra um prêmio de R$ 1.500,00 precisa analisá-lo antes da aceitação. Do ponto de vista da seguradora, o mecanismo envolve:

  • a aferição precisa do risco, o que é feito por meio de técnicas de Estatística;
  • a redução (idealmente, a eliminação) do risco por um processo de agregação de riscos similares e eventual partilha; e
  • a manutenção em balanço de volume adequado de capital próprio para suportar perdas além do esperado (esse é também um dos alvos principais das instituições oficiais reguladoras e fiscalizadoras de seguros).

Suponha que se saiba o seguinte: numa região e num ano, em média, 10% dos carros são roubados. No mundo real, o padrão de perdas (carros roubados) é instável. Assim, uma seguradora que segurasse apenas 10 carros poderia muito bem achar que há uma possibilidade significativa (de 20%, digamos) de dois carros de sua carteira serem roubados. Isso dobraria suas despesas em indenizações e, obviamente, desestimularia o negócio.

Porém, se a seguradora conseguisse reunir e segurar 10 mil carros em condições de risco similares aos 10 anteriores, ela estaria amparada por uma lei da Estatística que prova ser inferior a 1% a probabilidade de os sinistros serem o dobro da média.

Fonte:tudosobreseguros

 

Sem Comentários mais...

Seguro & entendimento

Seguro é um contrato entre uma pessoa ou uma empresa (segurado) e uma seguradora. Para obter a cobertura do seguro, o segurado paga um preço chamado “prêmio” e a companhia seguradora, em troca, compromete-se pagar a eventual perda financeira correspondente, durante o período da apólice.

O que é apólice?

Apólice é um documento emitido pela seguradora, que formaliza a aceitação do risco, objeto do contrato de seguro. A apólice formaliza a transferência do risco do segurado para a seguradora.

Na apólice do seguro deve estar discriminadas todas as condições contratuais, o bem ou a pessoa segurada, as coberturas de risco e as garantias contratadas, os estipulantes e beneficiários, o valor do prêmio, o prazo do contrato e as exclusões – isto é, as situações em que a indenização não é devida –, entre outras informações.

A emissão da apólice não dá, necessariamente, início à cobertura do bem. O bem estará coberto (segurado) assim que o risco tiver sido aceito pela seguradora.

Essa operação poderá resultar na emissão de um contrato de seguro ou certificado de cobertura. A apólice será enviada posteriormente. Ao receber a apólice, é importante que o segurado verifique se as condições ali contidas são as mesmas que informou ao corretor de seguros quando assinou o contrato.

A origem do termo vem do francês “police” e do italiano “polizza”, ambos tendo por origem o latim “pollicitatio” ou promessa, no caso, de pagar indenização por perda que teve como contrapartida o pagamento anterior de um prêmio.

O princípio da boa-fé

O seguro é um contrato inevitavelmente especulativo. A seguradora recebe as informações do segurado e, com base nelas, traça um perfil do risco e calcula a perda esperada e o prêmio.

Se o segurado omite informações que agravariam o risco, ameaçando de prejuízo a seguradora, ele falta com o princípio da boa-fé. O mesmo ocorre se a empresa, aproveitando-se do desconhecimento da maioria dos segurados a respeito das tecnicalidades do mercado, deliberadamente usa de terminologias vagas na apólice de modo a, por exemplo, esconder certas exclusões.

Nesses casos, a lei diz que o contrato é nulo. A lei impõe aos contratantes o dever de obedecer ao princípio da boa-fé, pois, na falta dele, o acúmulo de prejuízos de parte a parte levaria a suspeitas generalizadas e, no limite, à inviabilização do próprio mercado.

Note-se que esse princípio é aplicável a todos os contratos e transações. Ele proíbe o agente de esconder da outra parte o que sabe confidencialmente, para induzi-la a um negócio que não ocorreria ou ocorreria de modo diverso se essa parte tivesse acesso à informação sonegada. E vice-versa.

Tudosobreseguros

Sem Comentários mais...

O SEGURO PARA AUTOMÓVEL

O seguro de automóveis no Brasil se divide em dois grupos bem distintos: o seguro obrigatório (DPVAT – Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres) e o seguro facultativo, mais comumente conhecido como seguro de automóveis.

Recentemente, e no intuito de permitir cobertura securitária aos donos de veículos mais antigos, foi regulamentado o seguro popular de automóveis, ou “seguro auto popular”  que prevê o uso em reparos de peças usadas ou de peças novas não originais.

O seguro facultativo de automóveis garante indenização por:

  • danos acidentais causados ao veículo, ou por roubo ou furto do mesmo (ou suas partes);
  • ressarcimento de danos (materiais ou pessoais) causados pelo veículo a terceiros;
  • indenização aos passageiros acidentados do veículo (ou seus beneficiários) e;
  • assistência ao veículo e seus ocupantes, em caso de acidente ou pane.

A contratação do seguro é feita por meio de uma proposta. Esta, por sua vez, gera uma apólice, que é o contrato entre o segurado e a seguradora.

Andar num carro sem seguro é pôr em risco um patrimônio que custa caro. No que pouca gente presta atenção é que alguns cuidados também precisam ser tomados na hora de escolher esse seguro.

A primeira coisa a fazer é conhecer todas as suas regras, as garantias contratadas (coberturas) e as exclusões. Você precisa saber bem quais partes de seu automóvel estão seguradas, em quais situações se aplica o seguro e em quais situações ele não se aplica.

Ler bem o contrato de seguro e tirar todas as dúvidas com o seu corretor pode ser cansativo, mas é fundamental para que o seguro dê certo. E a escolha não deve ser feita apenas em função do preço, das condições de pagamento e dos benefícios que as seguradoras oferecem. É importante conhecer a tradição do corretor de seguros e da seguradora.

A qualquer momento, durante a validade da apólice, você pode alterar dados e condições do contrato de seguro, desde que em comum acordo com a seguradora. Essas alterações são validadas por um documento chamado endosso.

O seguro de automóveis abrange os veículos automotores de vias terrestres e reboques. Ou seja, abrange todo tipo de automóvel (inclusive motos, caminhões e ônibus), mas não pode ser contratado para veículos que andem sobre trilhos, na água ou no ar.

O seguro de automóveis contratado no Brasil tem, na maioria das seguradoras, validade para os países do Mercosul.

 

Fonte: Tudosobreseguros

Sem Comentários mais...

ESTRUTURA DO MERCADO DE SEGUROS NO BRASIL

O Sistema Nacional de Seguros Privados, instituído pelo Decreto-Lei n.º 73, de 1966, e alterado por legislações posteriores, tem a seguinte composição:

Além das instituições que compõe o Sistema Nacional de Seguros Privados, cabe destacar outras três importantes entidades que integram o mercado de seguros, previdência complementar aberta e capitalização:

Sociedades autorizadas a operar em seguros privados

São entidades constituídas sob a forma de sociedades anônimas, especializadas em pactuar contrato por meio do qual assumem a obrigação de pagar ao contratante (segurado) ou a quem este designar uma indenização caso ocorra o risco indicado e temido, recebendo para isso o prêmio estabelecido.

As seguradoras precisam de aprovação governamental para operar, bem como aprovação específica da Susep para cada um de seus produtos. No caso das seguradoras de saúde, a autorização cabe à Agência Nacional de Saúde (ANS). As seguradoras devem manter provisões, em conformidade com os critérios estabelecidos pelo CNSP.

Os investimentos que garantem tais provisões devem ser diversificados de acordo com as normas impostas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

A autorização para que as seguradoras possam operar é dada pelo Ministério da Fazenda, depois que um pedido é apresentado à Susep e submetido ao CNSP.

Qualquer alteração proposta ao estatuto social de seguradoras – ou qualquer consolidação, fusão ou operação semelhante – também precisará ser submetida à Susep e, em alguns casos, ao Ministério da Fazenda, para aprovação.

As seguradoras não podem abrir filiais ou agências no exterior sem a autorização do Ministério da Fazenda. Caso mantenha filiais ou agências fora do Brasil, a seguradora deve:

  • manter os resultados de suas operações no exterior separadamente de suas contas;
  • apresentar relatório detalhado à Susep sobre os resultados no exterior;
  • apresentar prova de que as demonstrações contábeis relativas às filiais e agências no exterior foram aprovadas pelas autoridades estrangeiras competentes.

As sociedades seguradoras estão organizadas na Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNSeg), criada em agosto de 2008.

A entidade também reúne a Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), a Federação Nacional de Previdência e Vida (FenaPrevi), a Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) e a Federação Nacional de Capitalização (FenaCap), conforme as grandes linhas demarcatórias do mercado.

A CNSeg tem como missão congregar as principais lideranças, coordenar ações políticas, elaborar o planejamento estratégico do setor e representar o segmento junto às entidades internacionais.

A Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e Capitalização (Fenaseg) ainda continua sendo a entidade de representação sindical do mercado segurador. A ela estão filiados os oito Sindicatos Regionais – Bahia (Sergipe/Tocantins), Minas Gerais, Pernambuco (Norte/Nordeste), Paraná, Rio de Janeiro/Espírito, São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Corretores habilitados:

São pessoas físicas ou jurídicas legalmente autorizadas a intermediar contratos de seguros, ou seja, angariar e promover contratos de seguros entre as sociedades seguradoras e as pessoas físicas ou jurídicas de direito privado, sendo remunerados por meio de comissão (porcentagem) sobre o valor do prêmio pago pelo segurado.

Os corretores são empresas ou profissionais liberais sem vínculos com as seguradoras, por isso mesmo, melhor posicionados para defender os interesses dos segurados.

A profissão foi regulamentada pela Lei nº 4.594, de 29/12/64, e seu exercício depende de prévia obtenção de título de habilitação concedido pela Superintendência de Seguros Privados (Susep).

Para a obtenção de tal título, a Susep exige a conclusão de curso técnico-profissional de seguros, oficial ou reconhecido, e a prestação de exame nacional promovido pela Escola Nacional de Seguros, responsável no Brasil pela formação desse profissional.

Os corretores de seguros são organizados em sindicatos estaduais afiliados à Federação Nacional dos Corretores de Seguros Privados e de Resseguros, de Capitalização, de Previdência Privada, das Empresas Corretoras de Seguros e de Resseguros – Fenacor.

No Brasil, as seguradoras só podem receber propostas de seguros por parte de corretores legalmente habilitados ou diretamente dos proponentes, mas o comissionamento da intermediação é obrigatório.

A figura do agente de seguros, profissional de vendas vinculado a uma ou mais seguradoras, comum nos Estados Unidos e Europa, não tem existência legal no Brasil.

Mais informações: www.fenacor.com.br

Fonte:   Tudosobreseguros- Portal de referência sobre seguros, previdência e capitalização 

Sem Comentários mais...

Veículo com seguro mais barato

Volkswagen Fox é o veículo com seguro mais barato

Pesquisa foi feita com os 50 carros mais vendidos

Diversos fatores influenciam no valor do seguro de carro, sendo que o modelo é o principal deles. A Smartia, primeiro site de seguros on-line do país, fez uma pesquisa em parceria com a TEx Tecnologia para analisar o valor desse serviço cobrado. Para isso, verificou o preço do seguros dos 50 veículos mais vendidos em setembro de 2018, de acordo com a Fenabrave (Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores).

O Volkswagen Fox lidera a lista com relação ao valor mais baixo (R$ 3.153,56). Em seguida estão o Fork Ka (R$ 3.396,84), o Ford EcoSport (R$ 3.525,88) e o Volkswagen Gol (R$ 3.543,22).

Por outro lado, a pesquisa apontou que os motoristas do Toyota Hilux (R$ 19.406,79) e do Fiat Toro (R$ 10.138,51) são os que mais têm que desembolsar dinheiro para ter uma garantia a mais.

A Smartia fez o levantamento em outubro e considerou os últimos 60 dias. Para o estudo, a empresa pensou em homens, casados, com idades entre 26 e 35 anos e residentes na cidade de São Paulo. Os valores apontados incluem o RCF e o IOF.

Diferença de preços

A diferença de preços nos seguros não está atrelada apenas ao valor do veículo, mas a visibilidade que ele tem. Quando um modelo é mais roubado por ladrões, as seguradoras tendem a cobrar a mais por isso, pois os riscos são maiores.

Além disso, o perfil do motorista é determinante para estipular o valor desse serviço. Como observado, a Smartia considerou um homem, casado, acima de 25 anos. Caso a pesquisa fosse feita para homens com 18 anos, por exemplo, o preço provavelmente seria maior.

A idade do condutor está entre os fatores responsáveis por precificar o seguro de veículos. Se a direção for ocupada por uma mulher, o serviço também pode ter outro preço. Para as seguradoras, elas são mais cautelosas no volante e, portanto, a segurança do veículo é maior do com que eles.

O estado civil é outro aspecto importante para as seguradoras. Em geral, as pessoas casadas têm uma vida social menos agitada, o que faz os riscos de acidentes serem menores. Já o local de residência determina o perigo dos assaltos. Nesse sentido, morar em bairros considerados perigosos pode fazer a diferença no bolso, ainda que o seguro ofereça uma garantia e um ótimo custo-benefício.

Rodrigo Conceição,

Equipe Smartia

Sem Comentários mais...

Somente um bom seguro vai garantir a reposição do seu patrimônio, a saúde e ainda sua aposentadoria

Em tempos de economia instável, a melhor opção para preservar o patrimônio e a vida, é o seguro!.

Para maioria das pessoas comprar um automóvel é uma conquista longa e difícil, já o risco de perda por danos ocorridos num acidente, por furto ou roubo, pode ser  grande e rápido, especialmente em tempos “bicudos”, a marginalidade crescente é uma consequência de prejuízos dessa natureza.  Somente um bom seguro pode garantir a preservação do automóvel, da residência, da saúde e, garante ainda uma boa aposentadoria.. 

O seguro ainda é meio mais eficaz para preservar o bem e a tranquilidade do cidadão, entretanto é preciso cautela na hora de fazer o seguro. Para não cair nas mãos de amadores ou golpistas, que costumam tirar proveito dos mais distraídos, escolher um bom corretor,  que tenha compromisso com  a defesa dos seus interesses, oferecendo assessoria e retaguarda na venda e no pós venda do seguro, é uma forma de comprar seguro com garantia de tranquilidade. Especialmente na eventualidade do sinistro, ocasião que a gente mais precisa da assessoria do especialista no assunto, digo, o corretor de seguros.   

Sem Comentários mais...

  • Desabafe aqui

  • Ultimas Atualizações

    julho 2019
    S T Q Q S S D
    « abr    
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    293031  
  • Cadastre-se e faça seu comentário

  • Arquivos

    Copyright 2011 ® Todos os direitos reservados. Desenvolvido por calorsvz.com